Neste artigo, será abordado o Scrum, uma metodologia ágil que vem sendo amplamente utilizada dentro das empresas, principalmente para o desenvolvimento de Softwares.

Introdução ao Scrum

Por quê uma empresa que trabalha com Marketing Digital escreve artigos sobre metodologias ágeis? Se você ficou curioso pra saber, vá até o final do artigo!

O Scrum teve seu início nos anos 80, com Hirotaka Takeuchi e Nonaka Ikujiro que definiram uma estratégia flexível para o desenvolvimento de produtos onde o time busca alcançar um único objetivo em comum.

A origem do nome se deu ao movimento dos jogadores de Rugby, onde o Scrum (“movimento de reinício do jogo”) tem-se todos os jogadores juntos, formando uma unidade capaz de mover a bola para o ataque.

Nos anos seguintes, Ken Schwaber e Jeff Sutherland desenvolveram sua aplicabilidade para o desenvolvimento de software em uma conferência em 1995 em Austin, Texas.

Então, o que é o Scrum?

O Scrum é um framework utilizado na gestão de projetos de desenvolvimento ágil, que envolve o esforço colaborativo de uma equipe para criar um novo produto, serviço ou outro resultado.

Seu uso teve início com aplicações em empresas de software, mas cada vez mais vem sendo aplicado em outras tipos de companhias. Sua popularização se deu pela adaptação, iteratividade e eficiência capaz de entregar um valor significativo para a organização, de forma rápida durante todo o projeto.

A utilização de times multifuncionais e auto-organizados que dividem as tarefas em ciclos curtos, os chamados sprints, tornou-se um dos pontos fortes da metodologia.


Figura1: Fluxo do Scrum para um Sprint

Fonte: 2016 SCRUMstudy™.

Product Backlog

Em um projeto, como por exemplo a criação de um chatbot para empresa, tudo começa com a definição dos requisitos e habilidades (skills) necessárias para a solução. Em um projeto Scrum, através do levantamento dos requisitos em conjunto com os stakeholders do projeto, é gerada uma lista de prioridades conhecida como Product Backlog; 

 

Sprint

Após o levantamento de todos os requisitos, o desenvolvimento do projeto poderá ser feito de forma incremental e dividido em ciclos com duração variável de até um mês, períodos chamados de Sprints. Considerando que você possui a lista priorizada de todos os requisitos (Product Backlog) e a definição da duração do Sprint, para o início do desenvolvimento da solução, a metodologia Scrum diz que é necessário planejar qual porção dos requisitos será executada no próximo ciclo; 

 

Sprint Backlog

Dentro do método Scrum, o ato de planejar o próximo Sprint ocorre de forma frequente até o término do projeto. Ele é conhecido como Sprint Planning e dá origem ao Sprint Backlog — no qual são “subtraídas” as tarefas do Product Backlog; 

 

Daily Scrum

Com a definição dos itens que serão desenvolvidos no Sprint, o acompanhamento e alinhamento da comunicação sobre o projeto é feito através da Daily Scrum. A ideia principal deste evento da metodologia Scrum é que cada pessoa envolvida com o projeto dê um breve overview sobre o andamento das atividades pelas quais ela está responsável. No final de cada Sprint, é aconselhável a aplicação de dois eventos do método Scrum, que visam monitorar e controlar o desempenho do projeto: Sprint Review e Sprint Retrospective; 

 

Sprint Review e Retrospective

Por último, o Sprint Review tem o objetivo de avaliar os objetivos do Sprint e adaptar, se necessário, o Product Backlog. Já a Sprint Retrospective visa avaliar, junto com a equipe envolvida no projeto, os pontos positivos e negativos que aconteceram no ciclo que se encerra. 

Membros da Equipe

Essa metodologia é composta de 3 personagens típicos: o scrum master, o product owner e o time de desenvolvimento.

Scrum Master

É responsável por facilitar as interações entre os membros do time Scrum e seu trabalho, removendo impedimentos, ensinando metodologia Scrum e sendo agente de mudança organizacional.

Dessa forma, o Scrum Master protege a equipe, garantindo que eles não se comprometam além do que eles podem alcançar durante um sprint. O Scrum Master facilita o Daily Scrum e torna-se responsável por remover quaisquer obstáculos que são trazidos pela equipe durante essas reuniões e prezando pela qualidade da equipe.

O papel do Scrum Master é normalmente preenchido por um gestor de projeto ou de um líder de equipe técnica mas pode ser qualquer pessoa 

 

Product Owner

Já o Product Owner é alguém que prioriza o Product Backlog (lista de tarefas do projeto) e possui autoridade para definir o produto, incrementalmente. O Scrum Team olha no Product Backlog priorizado, trabalhando em cima dos itens prioritários e se comprometendo a completá-los durante um sprint. Esses itens formam o Sprint Backlog, citado anteriormente

Em troca de seu compromisso de concluir as tarefas selecionadas (que, por definição, são as mais importantes para o Product Owner), o Product Owner se compromete em não lançar novos requisitos para equipe durante o sprint. Requisitos podem mudar (e a mudança é encorajada) mas apenas fora do sprint.

Uma vez que a equipe comece um sprint ela permanece focada sobre a meta daquele sprint. Conforme apontou Matt Gelbwaks, o Product Owner é responsável por conceitos e ideias (ex: o backlog) enquanto Scrum Master é responsável pela execução e qualidade, por isso o Product Owner quer mais recursos enquanto Scrum Master é focado em fazer e, portanto, ambos os papéis devem ser exercidos por pessoas diferentes. 

 

Time de Desenvolvimento

O Time de Desenvolvimento é um grupo multidisciplinar (tipicamente entre 3-9 pessoas), responsável por realizar o trabalho de desenvolvimento do produto. A partir das prioridades definidas pelo Product Owner, o Time de Desenvolvimento gera, em cada Sprint, um incremento do produto pronto, de acordo com a “definição de pronto”, e que significa valor visível para os clientes do projeto.

O Time de Desenvolvimento auto gerencia o seu trabalho de desenvolvimento do produto. É ele que determina tecnicamente como o produto será desenvolvido, planeja esse trabalho e acompanha seu progresso. Para tal, tem propriedade e autoridade sobre suas decisões e, ao mesmo tempo, é responsável por seus resultados. 

 Figura 2: Fluxo do Scrum para um Sprint

Fonte: 2016 SCRUMstudy™.

 

Princípios do Scrum

Os Princípios do Scrum são as diretrizes fundamentais para a aplicação do framework Scrum e devem, obrigatoriamente, ser usados em todos os projetos Scrum.

São eles: o Controle de Processos Empíricos, Auto-organização, Colaboração, Priorização Baseada em Valor,  Time-boxing e Desenvolvimento Iterativo.

Figura 3: Fluxo do Scrum para um Sprint

Fonte: 2016 SCRUMstudy™.

1. Controle de Processos Empíricos

O princípio de Controle de Processos Empíricos enfatiza a filosofia central do Scrum com base em três ideias principais: transparência, inspeção e adaptação. 

 

2. Auto-organização

O princípio de Auto-organização está focado nos colaboradores atuais de uma organização, que entregam significamente um maior valor quando são auto-organizados. E isto resulta em times mais satisfeitos e responsabilidade compartilhada, e em um ambiente inovador e criativo que é mais propício ao crescimento. 

 

3. Colaboração

O princípio da Colaboração concentra-se nas três dimensões básicas relacionadas com o trabalho colaborativo: consciência, articulação e apropriação. Também defende o gerenciamento de projetos como um processo de criação de valor compartilhado, com times trabalhando e interagindo em conjunto para atingirem melhores resultados. 

 

4. Priorização Baseada em Valor

O princípio da Priorização Baseada em Valor destaca o foco do Scrum em entregar o máximo de valor de negócio possível, durante todo o projeto.  

 

5. Time-boxing

O princípio do Time-boxing descreve como o tempo é considerado uma restrição limitada em Scrum, e como ele é usado para ajudar a gerenciar o planejamento e execução do projeto com eficácia.

Os elementos de Time-boxing em Scrum incluem: os Sprints, as Reuniões Diárias, a Reunião de Planejamento do Sprint, e a Reunião de Revisão do Sprint.

 

6. Desenvolvimento Iterativo

Esse princípio define o desenvolvimento iterativo e enfatiza como administrar melhor as mudança e criar produtos que atendam às necessidades do cliente. Também delineia as responsabilidades do Dono do Produto e da organização, com relação ao desenvolvimento iterativo. 

 

Diferença entre o Scrum e o Modelo Cascata de Gestão

Veja, na tabela a seguir, o resumo das diferenças entre o Scrum e os modelos tradicionais de gerenciamento de projetos

Tabela 1 – Scrum x O Modelo Tradicional de Gerenciamento de Projetos

Fonte: Um Guia para o CONHECIMENTO EM SCRUM (Guia SBOK™), Edição 2016.

 

Scrum no Marketing Digital

Assim como o desenvolvimento de software possui um sistema de gestão complexo, o Marketing Digital também pode ser interpretado da seguinte forma. E, o Pareto Quantic é uma excelente ferramenta de Gestão de Marketing, através do Marketing Board.

Dentro do Workflow, temos o Marketing Board, que é é um gestor de tarefas que se utiliza do modelo Scrum para organizar suas tarefas em um quadro Kanban automatizado. Nele, você tem a gestão do seu time, com a visão de tarefas, priorização, pontos de história por card e sugestões de otimização do Quantic, para aumentar a eficiência de execução e o homem-hora (h/h).

Se você trabalha com vários clientes, ou possui um portfólio de projetos, a organização do Marketing Board vai poder te dar uma visão de como estão as atividades e aumentar a eficiência e eficácia do seu time.

 

Quer saber mais sobre o Scrum? Nós recomendamos as seguintes leituras:

 – Scrum. A Arte de Fazer o Dobro do Trabalho na Metade do Tempo. Autor: Jeff Sutherland.

– Um Guia para o CONHECIMENTO EM SCRUM  (Guia SBOK™), Edição 2016.

 

Confira estes ouros artigos do Blog Pareto que podem te interessar:

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Bitnami